Blog Top Sites

Pesquisar este blog

domingo, 21 de fevereiro de 2010

perfumes historia

ganhe brindes e amostras gratisnet

EU RECOMENDO !!

perfumes historia
  Queimar algo para liberar perfume é um recurso muito antigo. A própria palavra "perfume" sugere, aliás, sua origem fumegante. Tanto o português "perfume", como o francês "parfum", o italiano "profumo" e o inglês "perfume" derivam efetivamente do latim fumus, talvez em uma referência às volutas de fumaça perfumada que subiam aos céus durante os ritos em homenagem aos deuses.
    As primeiras referências ao perfume remontam às antigas civilizações do Oriente Próximo, especialmente à do Egito. Os arqueólogos encontraram vasos de perfume de alabastro que remontam ao Terceiro Milênio antes de Cristo, e são numerosos os afrescos com cenas da vida cotidiana que mostram rituais do perfume. Os antigos egípcios reservavam fragrâncias para os mortos e os deuses, a ponto de instalarem dentro dos templos os laboratórios destinados à preparação desses perfumes. No laboratório do templo de Hórus, em Edfu, foi encontrada por exemplo, a receita das velas aromáticas que os sacerdotes acendiam na primeira oferenda da manhã às estátuas das divindades. O sebo, embebido em drogas aromáticas, era primeiro tingido de cor-de-rosa com raízes de alfena e, depois, era queimado lentamente. Mais tarde, queimavam-se resinas de terebinto e a fumaça subia aos céus para expulsar os espíritos malígnos. No final da cerimônia, o sacerdote espargia a estátua da divindade com óleos perfumados e a cobria com um véu.
    Mas por que o perfume tinha um papel tão importante nos rituais propiciatórios dedicados aos deuses? Com certeza, porque era infinitamente mais valioso do que hoje. Assim, só podiam dispor dele os grandes sacerdotes ou os reis, que os reservavam aos deuses. No poema de Pen-ta-ur podemos ler a oração do faraó Ramsés ao deus Amon para que lhe conceda a vitória na batalha de Qadesh. Nesse trecho do poema, o rei relembra as oferendas ao deus, entre elas o sacrifício de 3 mil bois, ervas aromáticas e perfumes. Os egípcios acreditavam que seus pedidos e orações chegariam mais depressa à morada dos deuses se viajassem nas densas nuvens de fumaça aromática que se erguiam dos altares e ascendiam aos céus.

O Egito

    Em seus templos, os antigos egípcios utilizavam perfumes com fins exclusivamente sagrados. Logo, no entanto, perceberam que seria possível conseguir bons lucros preparando perfumes também para os homens, ao invés de deixá-los como privilégio unicamente de deuses e mortos. Assim, os sacerdotes acabaram aos poucos transformando seus templos em autênticos laboratórios de perfumaria "abertos ao público." Isso ocorreu por volta de 2000 a.C. Os primeiros clientes, é claro, foram os faraós e os membros importantes de sua corte, mas o uso do perfume logo se difundiu, trazendo um agradável toque de frescor ao clima quente e árido do Egito. A necessidade de contar com essências refrescantes tornou-se tão fundamental que a primeira greve da história da humanidade foi protagonizada (por volta de 1330 a.C.) pelos soldados do faraó Seti I, que parara de fornece-lhes unguentos aromáticos. Pouco depois, em cerca de 1300 a.C., coube ao faraó Ramsés II enfrentar uma revolta de peões em Tebas, que estavam indignados com a escassez das rações de comida e unguentos.
    Os egípcios cuidavam muito de sua higiene pessoal; no fundo de suas casas sempre reservavam espaço para as suas abluções. Tinham o hábito de lavar-se ao acordar, e também antes e depois das principais refeições. Além de água, os egípcios usavam uma pasta de argila e cizas, a suabu, que era uma espécie de precursora do atual sabonete. A seguir, friccionavam o corpo com incenso perfumado.
    Os sacerdotes preparavam os incensos com receitas que mantinham em segredo, registrando-as somente nas paredes dos templos; mais tarde foi adotado o costume de escrevê-las sobre papiros. O arqueólogo Edwin Smith encontrou, em meados do século XIX, alguns desses papiros, ainda em bom estado: uma receita prescrevia a aplicação de mel e perfume em caso de ferimentos na cabeça. Outra dava até instruções para preparar "um óleo que transforma um velho em jovem.".
    Esses papiros também traziam receitas de unguentos aromáticos para conservar a pele suave e instruções para realizar defumações de incenso e azeite para proteger os olhos da luz cegante, que no Egito constituía um sério problema. Para as mulheres também eram preparadas pomadas e cosméticos para os olhos. Uma invenção muito original foi a dos cones de gordura e resinas aromáticas, chamados de cones tebanos, que eram apoiados no centro da cabeça antes dos banquetes; com o calor no transcorrer da festa, as resinas se dissolviam aos poucos e escorriam sobre os ombros das pessoas, exalando desse modo fragrâncias refinadas.

Hábitos Cotidianos

    No Antigo Egito, os perfumes eram usados por toda a família. Os homens os utilizavam principalmente para as lavagens do corpo, que eram realizadas na sala de banho situada na parte posterior da casa, descrita como a "sala mais fresca de todas".
    Naqueles tempos, as banheiras ainda não existiam, mas há representações que remontam ao terceiro milênio a.C. que mostram a prática das lavagens de forma semelhante a das saunas atuais. Os homens sentavam-se em bancos e encostavam-se na parede enquanto alguns escravos jogavam água perfumada por cima e outros queimavam aromas prefumados em incensários.
    As mulheres utilizavam os perfumes em outra sala da casa, que se chamava "de unção"; a dona da casa deitava-se no chão sobre esteiras e as donzelas friccionavam os cabelos dela com uma pomada aromática chamada abra; outras untavam o corpo com óleo para clarear e suavizar a pele; outras ocupavam-se da maquiagem, executando autênticas obras-primas de pintura: primeiro desenhavam o contorno dos olhos com um produto negro chamado maslim; depois, sobre as pestanas e as sombrancelhas, estendiam um produto verde; avivavam os lábios com carmim; pintavam a testa de branco e as têmporas de azul, para realçar a cor das veias; finalmente usavam hena para pintar de vermelho alaranjado as palmas das mãos. Os cosméticos eram colocados em pequenos vasos de alabastro, fechados com um pedaço de tecido fixo com um cordel, em conchas ocas ou até em saquinhos de linho, o que permitiu a sua conservação no decorrer de milênios. Com isso, os arqueólogos puderam analisá-los, descobrindo que as pastas que serviam para essas maquiagens eram compostas por minerais que eram mesclados com os perfumes oferecidos pelos próprios sacerdotes.
    Segundo uma crença egípcia, as fórmulas para a elaboração dos perfumes foram reveladas pelo próprio deus Toth, que indicava aos sacerdotes quais eram os aromas mais apreciados pelos deuses.
Lojas Especiais
Ralph
Calvin Klein
BVLGARI
Dior
GIVENCHY
Chanel
Boss
Carolina Herrera
Giorgio Armani
Dolce&Gabana
Ferrari
Mont Blanc
Cacharel
Paloma Picasso
Azarro
Grife









Postar um comentário

Postagens populares

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

ganhe AMOSTRAGRATISNET